domingo, 3 de junho de 2012

Reencontro


Olho para trás a fim de contemplar toda construção erguida com cada pedra lançada. Serena constato que permaneci de pé.

No término de mais um ciclo, avalio meu aprendizado, feliz agradeço ao tempo numa oração sem palavras. Eu sou a oração de doação para a vida, meu olhar sorriso e paz lhes pertence.

Continuo a dar graças ao que tantos chamam por distintos nomes Força, Energia, Sopro, Luz, Pai, Criador, Javé, Jeová, Alah, Oxalá, Divino Feminino, mas que aqui e agora chamo de Deus. Por todo aprendizado, pela construção diária de mim, pelos dias de inverno em que o sofrimento foi o meu balizador, pelos dias primaveris em que o sorriso surgiu espontâneo.

Dou graças aos meus muitos amores.
Dou graças por ter sido criança e por hoje ser mulher.
Dou graças à solidão e a delícia de ser eu.
Dou graças pela insistência contra a fadiga do físico e da alma que fraqueja, quando as forças parecem esgotadas. Bendita seja a teimosia de tentar algo mais!
Dou graças por sentir com mansidão, por celebrar com brilho nos olhos, por saber chorar e exibir a tristeza. Pois nisso não há grandeza ou humilhação. Alegria e tristeza são estados momentâneos, ocupantes do espaço que lhes permito, com o valor que eu lhes concedo em minha vida.
Dou graças por ter conhecido amorosidade nas pessoas, por não ter cedido diante da ira.
Dou graças ao rememorar as pedras, as flores principalmente as rosas, os sins e os nãos escutados.

Permito-me agraciar Narciso sem escravizar-me pelo lago. Busco a elasticidade do bambu que apenas enverga. Neste ponto da jornada onde a poeira do passado é levada pelo vento e a neblina do futuro nega a visão do que será, percebo o corte, no tão bem trabalhado véu de Maia. E o que isto significa? Não sei dizer, nem penso que devo saber, o viver pode vir em pequenas doses, não é possível determiná-lo.

A luz deste lindo dia celebra com a natureza o cumprimento de mais um ciclo, o fim e o início de uma etapa - a minha primavera. E por isso lhe sorrio parabenizando-me pelo símbolo deste número e porque só eu sei o quanto caminhei, só eu sei tudo que pude ver e sentir.

Dou graças à vida e ao indizível viver.

Rosangela Figueredo Dias
03 de junho de 2012.

6 comentários:

Ricardo Dib disse...

Indizível e inefável viver...

ulisses sebrian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leia Bous disse...

Ola! Tudo Bem!
Meu nome é Léia Bous e,
Visitei o seu blog e gostei. Entrei
Como seguidor. Boa Sorte.
Também tenho um blog e gostaria
Que visitasse e se possível entrasse como
Seguidor. Obrigada
http://escolhasopus.blogspot.com.br/

Leia Bous disse...

Ola! Tudo Bem!
Meu nome é Léia Bous e,
Visitei o seu blog e gostei. Entrei
Como seguidor. Boa Sorte.
Também tenho um blog e gostaria
Que visitasse e se possível entrasse como
Seguidor. Obrigada
http://escolhasopus.blogspot.com.br/

Desouza disse...

Bom blog...
Belas e intensas palavras...

Se te interessar...

Www.prsantosmissao.blogspot.com

Belos poemas, poesiase muito mais

Te espero la, abracos

Safe Pest Control disse...

I do accept as true with all of the ideas you’ve offered to your post. They’re really convincing and can definitely work.

-------------------------
spiders control sydney | sydney termite control | termite inspection sydney